Por: Maria Angélica Reis e Maurício G.C. Emerenciano

Publicado em 08/05/2020.

 

Hoje já sabemos que os microorganismos presentes nos bioflocos atuam em três funções primordiais: (i) melhoram a qualidade de água através da assimilação dos temidos nitrogenados; (ii) fonte de proteínas e outros nutrientes essenciais que são consumidas pelos animais, reduzindo a taxa de conversão alimentar, e; (iii) estabelecendo uma interação microbiana que pode resistir à invasão de potenciais patógenos externos. Por causa dessa multifuncionalidade, os pesquisadores atualmente se empenham em elucidar os efeitos benéficos dos bioflocos através da análise de suas diferentes comunidades bacterianas, incluindo aquelas que colonizam o trato intestinal ajudando na absorção de nutrientes, na imunidade inata e na defesa contra patógenos. Neste sentido, o conhecimento da comunidade bacteriana é duplamente interessante pois além de interagir com o ambiente aquático pode afetar a composição da microbiota intestinal.

 

Em um novíssimo estudo publicado na renomada revista científica Aquaculture, pesquisadores da Universidade de Ningbo (China) analisaram se os diferentes tamanhos de bioflocos possuíam comunidades microbianas diferentes e se isso refletia na comunidade microbiana do intestino de camarões marinhos Litopenaeus vannamei. Foi verificado que os flocos de maior tamanho são diferentes dos pequenos: os grandes possuíam mais bactérias aderentes, como as da família Rhodobacteraceae e Flavobacteriaceae, que pode ajudar a melhorar a qualidade de água e a saúde dos camarões. Já os bioflocos pequenos possuíam mais bactérias livres e mais potenciais patógenos como Vibrio, Bacilloplasma e Pseudoalteromonas, que segundo os autores pode aumentar o risco de doenças no cultivo. Quando analisaram o intestino dos animais, foi verificado que a microbiota intestinal se encontra intimamente relacionada com as comunidades encontradas nos bioflocos grandes, o que sugere um hábito alimentar seletivo e com preferência de consumo dos agregados maiores.

 

Interessante, não é mesmo? Fique ligado nas postagens da Kona Blue. Onde a ciência e a prática se encontram. Até a próxima!

 

Se você quer acessar o artigo completo, é só clicar em:

https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0044848619324950?via%3Dihub

 

 

 

 

Huang, et al. 2020. The bacteria from large-sized bioflocs are more associated with the shrimp gut microbiota in culture system. Aquaculture 523.

Ekasari et al. 2014. The size of biofloc determines the nutritional composition and the nitrogen recovery by aquaculture animals. Aquaculture 426, 105-111.

 

 

 

 

+55 (48) 9 9193-1313

|

contato@konablue.com.br